E EIS QUE, TENDO DEUS DESCANSADO NO SÉTIMO DIA, OS POETAS CONTINUARAM A OBRA DO CRIADOR.
(MÁRIO QUINTANA)

terça-feira, 24 de março de 2009

E DEPOIS DO AMOR

E DEPOIS DO AMOR

De mãos dadas
Nos olhamos em silêncio
E sem palavras
Dissemos tudo

Dedos entrelaçados

Bocas unidas

Corpos frementes

Viajámos no espaço


À nossa volta

A quietude da noite


Repousamos agora

Lado a lado
Exaustos
Tranquilos

Ainda unidos.

Sempre unidos.

Maispa
Luz

10 comentários:

Paula Raposo disse...

Sempre unidos...gostei!! Beijos.

Maria João disse...

Amiga..

Que a exaustão nunca provoque a desunião..
Que os silêncios sejam sempre cumplices de um amor já dito e repetido...
Que com a quietude da noite se preste atenção ao coração do outro que bate...
Que depois do amor... seja amor, simplesmente!

Um beijinho muito grande para ti!

Canduxa disse...

Queridinha,

Que depois do amor fique sempre o amor e que a união nunca se acabe.
Belo poema!
Beijinhos
canduxa

Daniel Costa disse...

Mariazita

A suavidade tranquilizante de um bonito poema de Maispa - Luz. Um certo jeito de sensulidade vai a matar, neste tipo de inguajar.
Francamente aprecieei. Como apreciei, a tua passagem no meu espaço, depois ter aqui vindo espreitar.
Beijinos,
Daniel

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

"Se tudo for feito com Amor e ingenuidade;
Se todos se amarem mutuamente;
Se a felicidade for uma Eternidade;
Se a tristeza for mera passagem;
Se a amizade for sincera e de Verdade;
Se a vida for um Dar acima de receber;
Então descobriremos que foi em cada uma desses
momentos que nosso coração bateu mais forte,
e que agimos pura e simplesmente como seres Humanos!"

(Vera Costa)

Desejo uma linda semana com muito amor.
Abraços.

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá, belo texto...Espectacular....
Beijos

Carlos Rebola disse...

E depois do amor ele continua e une, derrubando muros e construindo pontes.

Beijos
Carlos Rebola

xistosa - (josé torres) disse...

Será que o amor nos cansa?
Depois de dedos entrelaçados e corpos frementes, um merecido repouso, lado a lado, depois do amor.

Belo poema.

Fenix disse...

Muito bonito!
Que ternura!

Gostei..., fez-me sonhar...

Beijinhos e bom fim de semana.
São


PS: Há lá presentes novos no meu espaço. Sem qualquer regra de atribuição, apenas miminhos que recebi e partilho para enfeitar as casinhas de todos os que deles gostarem.

Vitor Lopes disse...

por vezes o silencio fala muito mais que palavras ditas